ORFEU SPAM APOSTILAS

[Volta à Página Principal]

HISTÓRIA DE PORTUGAL - DA FORMAÇÃO ÀS NAVEGAÇÕES

Resumo:

Portugal é uma das mais antigas nações da Europa, existindo como país há mais de 8 séculos.
Sujeito às mais variadas e regulares invasões, o país recebeu uma variada sucessão de habitantes ao longo dos séculos, que ajudaram a moldar o espírito do país que hoje conhecemos.
A presença humana no território remonta ao paleolítico e ao mesolítico, dos quais se podem ainda ver inúmeros vestígios, sendo os túmulos funerários colectivos os mais abundantes (Palmela, Cascais e Alapraia - próxima do Estoril).
A presença celta também deixou traços profundos no povo português, bem como inúmeros vestígios. As invasões deste povo datam de V e IV a.C. e o exemplo, talvez o mais notório da sua passagem seja a Citânia de Briteiros, uma misteriosa cidadela de pedra com cerca de 200 casas, cisternas subterrâneas e condutas de água, localizada perto de Guimarães no norte do país.

Os gregos fundaram Olissipólis e iniciaram uma fase de colonização comercial na região anterior à ocupação romana.

A presença romana que durou do I ao V séculos d.C., deixou uma marca indelével na paisagem. Vestígios bem claros da sua passagem podem ainda ser vistos na cidade romana de Conímbriga, próxima a Coimbra, pelo majestoso aqueduto em Elvas, ou no impressionante Templo romano em Évora. Os romanos também legaram a sua língua. O português é de origem latina, contendo no entanto algumas influências árabes.
A ocupação mourisca durou do século VIII a meados do século XII, das quais uma das suas maiores contribuições foi a introdução do azulejo, um pequeno quadrado brilhante, de tom azulado, que poderá conter, ou não motivos, e que é normalmente utilizado na decoração de interiores ou exteriores.
A história de Portugal como nação, remonta ao ano 1140 d.C., altura em que, após nove anos de revolta contra o Rei de Leão e Castela, Dom Afonso Henriques se auto-proclama rei de Portugal. O seu filho, Dom Afonso I e os seus sucessores, continuaram a expandir o território para sul, conquistando-o aos mouros. Lisboa é-lhes tomada em 1147 e as fronteiras que hoje existem forma demarcadas por D. Afonso III em 1249.

Em 1337, navegadores portugueses chegaram às ilhas Canárias. Suportados pelo Infante D. Henrique - o Navegador, (1394-1460), navegadores como Vasco da Gama, Bartolomeu Dias, Pedro Álvares Cabral e Fernão de Magalhães abriram caminho para um novo mundo, chegando ao Brasil, índia e ao Japão. Assim, Portugal tornou-se um verdadeiro império com territórios em África, na América Latina e no Extremo Oriente, (Timor, Macau, Goa).
Questões dinásticas levaram a que em 1580 Filipe II de Espanha fosse também o Iº de Portugal e assim o país ficou subjugado à coroa espanhola. Em 1640 uma revolta terminou com o domínio espanhol e a casa de Bragança tomou a coroa portuguesa.

 

CRONOLOGIA

Cronologia do Período Foz Côa a Júlio César

18000 AC Data provável das gravuras de Foz Côa

7000 AC Fim do período Paleolítico. O vale do Tejo era povoado por pescadores e caçadores que viviam perto dos estuários dos rios

3000 AC Povos neolíticos construíram monumentos funerários elementares e começaram a praticar a agricultura

2000 AC Fim do período neolítico

1500 AC Começo da Idade do Bronze. A Ibéria colonizada pelos Ligures. Possível chegada dos Iberos desde o Norte de África

1200 AC Chegada dos Fenícios

1000 AC Começo da Idade do Ferro

800 AC Chegada dos Celtas

753 AC Fundação lendária de Roma

700 AC Chegada dos gregos

625 AC Nabucodonosor reconstrói a Babilónia

587 AC Destruição de Jerusaém

522 AC Aparecimento na Índia de Buda e Mahavira

508 AC Fundação da Democracia Ateniense

500 AC Chegam os Cartagineses

218 AC Desembarque de tropas Romanas na Hispânia ou Península Ibérica

148 AC Assassínio de Viriato

83 AC Primeiro triunvirato: César, Pompeu e Crasso

72 AC Assassínio de Sertório

27 AC A Hispânia Ulterior é dividida em duas províncias: Lusitânia e Bética

 

Cronologia da Província da Lusitânia

83 AC Primeiro triunvirato: César, Pompeu e Crasso

72 AC Assassínio de Sertório

27 AC A Hispânia Ulterior é dividida em duas províncias: Lusitânia e Bética

25 AC Governando já Octávio César Augusto termina a conquista da Hispânia

16-13 AC Augusto divide a Hispânia em três províncias : Bética, Hispânia Citerior ou Tarraconense e Lusitânia Nascimento de Jesus Cristo em Belém

58  DC Possível começo da evangelização cristã da Hispânia por São Paulo

108 DC Expansão máxima do Império Romano - A Lusitânia estava dividida em três "conventus". Pacensis (da sua capital Pax Julia), Scallabitanus ( de Scallabis) e Emeritensis ( de Emerita, que era a capital de toda a província)

284 DC Diocleciano cria mais duas províncias na Lusitânia, desmembrando a Tarraconense; Cartaginense e a Calécia. Na Calécia entrava todo o Portugal actual a norte do Douro

317 DC Fundação de Constantinopla

400 DC Concílio de Toledo

409 DC Alanos, Vândalos e Suevos invandem a Hispânia

416 DC Os visigodos invadem a Península

 

Imperadores da Lusitânia Romana ( 27 AC - 411 DC )

27BC-14DC Augusto ( Gaius Julius Caesar Octavianus ou mais tarde Augustus ou Caesar Augustus ) 

Foi Augusto que ordenou o recenseamento que provocou o nascimento de Cristo em Belém.

14 - 37 Tiberio ( Tiberius Caesar Augustus ) 

Foi durante o mandado de Tibério que Pôncio Pilatos, governador da Judeia, presidiu ao julgamento de Cristo e ordenou a sua crucificação no monte Golgota ou Calvário. ( AD 30 )

37 - 41 Caligula ( Gaius Caesar Augustus Germanicus )

41 - 54 Claudio ( Tiberius Claudius Caesar Augustus Germanicus )

54 - 68 Nero ( Nero Claudius Caesar Augustus Germanicus )

68 - 69 Galba ( Servius Galba Caesar Augustus )

69 Otho ( Marcus Otho Caesar Augustus )

69 Vitelio ( Aulus Vitellius Germanicus )

69 - 79 Vespasiano ( Caesar Vespasianus Augustus )

79 - 81 Tito ( Titus Vespasianus Augustus )

81 - 96 Domiciano ( Caesar Domitianus Augustus )

96 - 98 Nerva ( Nerva Caesar Augustus )

98 - 117 Trajano ( Caesar Nerva Traianus Augustus )

117 - 138 Adriano ( Caesar Traianus Hadrianus Augustus )

138 - 161 Antonino Pio ( Caesar Titus Aelius Hadrianus Antoninus

 Augustus Pius )

161 - 180 Marco Aurélio ( Marcus Aurelius Antoninus )

180 - 192 Cómodo ( Lucio Aelius Aurelius Commodus )

193 Pertinax ( Publius Helvius Pertinax )

193 Dídio Juliano ( Marcus Didius Severus Julianus )

193 - 211 Séptimo Severo ( Lucius Septimius Severus Pertinax )

211 - 217 Caracalla ( Marcus Aurelius SEverus Antoninus )

211 - 212 Geta ( Publius Septimius Geta )

217 - 218 Macrinus ( Marcus Opellius Severus Macrinus )

218 - 222 Elagabus (Sacerdos dei invicti solis Elagabali Marcus Aurelius Antoninus )

222 - 235 Severo Alexandre ( Marcus Aurelius Severius Alexander )

235-238 Maximinus ( Marcus Clodius Pupienus Maximus )

238 Gordian I ( Marcus Antonius Gordianus Sempronianus Romanus Africanus )

238 Gordian II ( Marcus Antonius Gordianus Sempronianus Romanus  Africanus )

238 Maximo ( Marcus Clodius Pupienis Maximus ) 238 Balbinus ( Decius Caelius Calvinus Balbinus )

238 Pupienus  

238 - 244 Gordian III ( Marcus Antonius Gordianus )

244 - 249 Filipe  

249 - 251 Décio ( Galus Messius Quintus Tranus Decius )

251 Hostilian ( Galius Valens Hostilianus Messius Quintus )

251 - 253 Trebonianus ( Gaius Vibius Trebonianus Gallus )

253 Aemilianus ( Marcus Aemilius Aemilianus )

253 - 260 Valerianus ( Publius Licinius Vallerianus )

253 - 268 Galienus ( Publius Licinius Egnatius gallienus )

268 - 270 Claudio Gótico ( Marcus Aurelius Valerius Claudius ) 

270 - 275 Aurélio ( Lucius Domitius Aurelianus )

275 - 276 Tácito ( Marcus Claudius Tacitus )

276 Floriano ( Marcus Annus Florianus )

276 - 282 Probus ( Marcus Aurelius Probus )

282 - 283 Carus ( Marcus Aurelius Carus )

283 - 285 Carinus ( Marcus Aurelius Carinus )

283 - 284 Numerianus ( Marcus Aurelius Numerius Numerianus )

284 - 305 Diocleciano ( Gaius Aurelius Valerius Diocletianus ) 

286 - 305 Maximiano ( Marcus Aurelius Valerius Maximianus )

292 - 306 Constantius ( Flavius Valerius Maximianus )

293 - 311 Galerius ( Gaius Galerius Valerius Maximianus )  

311 - 323 Licínio ( Valerius Lucianus Licinius )

306 - 337 Constantino I ( Flavius Valerius Constantinus ). 

Constantino foi o primeiro imperador romano a professar o Cristianismo, e iniciar a evolução do Império para um Estado Cristâo.

337 - 340 Constantino II ( Flavius Claudius ou Julius Constantinus )

337 - 350 Constans I ( Flavius Julius Constan )

337 - 361 Constantius II ( Flavius Julius ou Valerius Constantius )

350 - 353 Magnentius ( Flavius Magnus Magnentius )

360-363 Juliano o Apóstata ( Flavius Claudius Julianus )

364-375 Valentiano I ( Flavius Valentianus )

364-378 Valente ( Flavius Valens )

378-395 Teodósio I ( Flavius Theodosius ) 395-423 Honório * - até 411 - ( Flavius Honorius )

* Honório entrega o governo da Lusitânia aos alanos em 411, e aqui termina o vínculo com Roma. Seguiu-se a descrição da Enciclopédia Britânica.

 

Cronologia de Bárbaros e Muçulmanos

409 DC Alanos, Vândalos e Suevos invandem a Hispânia

416 DC Os visigodos invadem a Península

448 DC O Suevo Rechiarus converte-se ao cristianismo

501 DC Concílio de Braga

585 DC Os visigodos absorvem o reino suevo derrotando Andeca, o último rei suevo

711 DC Invasão muçulmana da Península - Batalha de Guadalete e derrota dos visigodos

718 DC Revolta de Pelágio. Formação do reino das Astúrias

868 DC Reconquista neogoda do Porto

900 DC Abd-al-Rahman III instaura o califado de Espanha

 

Reis Visigodos da Hispânia ( 410 - 711 DC )

410 - 415 Ataulfo

Ataulfo - Conduziu o o povo visigodo até à Gália, onde estabeleceram a sua capital em Toulouse. Foi o primeiro godo a pisar a Hispânia. Casou com a princesa romana Galia Placidia, da qual teve um filho que faleceu em Barcino ( Barcelona ) onde ele próprio foi assassinado.

415 Sigerico

415 - 418 Walia

Walia - Federado de Roma, derrotou os suevos, vândalos e alanos na Península Ibérica e fundou o reino de Toulouse. Morreu em circunstâncias estranhas.

451 - 453 Turismundo

418 - 451 Teodorico I

Teodorico I - O rei que mais durou. Nos seus 33 anos de governo,o reino fortaleceu-se sob os olhos dos romanos. Aliado de Roma, enfrentou Átilae morreu na batalha dos Campos Catalaúnicos.

466 - 484 Eurico

Eurico - Assistiu à queda do Império Romano do Ocidente. Artuculou um corpo legislativo - o Código de Eurico - para melhor governar.

484 - 507 Alarico II

507 - 510 Gesaleico

510 - 526 Teodorico

526 - 531 Amalarico

531 - 548 Theudis

548 - 549 Theudiselo

549 - 555 Agila

555 - 567 Atanagildo

567 - 568 Liuva I

568 - 571 Liuva I e Leovigildo

571 - 586 Leovigildo

Leovigildo - Conquistou toda a Península Ibérica, vencendo os suevos em 585. Promoveu o Codex Revisus.

586 - 601 Recaredo

Recaredo - Durante o seu reinado, os visigodos converteram-se ao cristianismo, após o III Concílio de Toledo.

601 - 603 Liuva II

603 - 610 Witerico

610 - 612 Gundemaro

612 - 621 Sisebuto

621 Recaredo II

621 - 631 Suintila

631 - 636 Sisenando

636 - 639 Khintila

Khintila - Chegou ao trono aos 86 anos, antes da morte de Santo Isidoro, o grande intelectual da Europa medieval.

639 - 642 Tulga

642 - 649 Chindasvinto

649 - 653 Recesvinto/Chindasv.

653 - 672 Recesvinto

Recesvinto - Artifice do Liber Ludiciorum. O seu reinado foi caracterizado pela paz e florescimento cultural.

672 - 680 Wamba

680 - 687 Ervígio

687/698/700 Égica

698/700/702 Égica e Witiza

702 - 710 Witiza

710/711/716 Ágila II

710 - 711 Roderico

Roderico ou Rodrigo - O úlrimo rei visigodo, derrotado e morto pelos árabes na batalha de Guadalete.

 

Cronologia do Condado Portucalense ( 1061 - 1137 )

1061 DC Início do reino almorávida de Iúçufe

1064 DC Reconquista cristã de Coimbra aos mouros: governo de Sionando

1072 DC Afonso VI retoma a coroa de Leão e assume a de Castela

1073 DC Afonso VI torna-se rei da Galiza e de Portucale

1086 DC Os almorávidas chegam à Espanha muçulmana

1090 DC Afonso VI entrega ao conde D. Raimundo o governo da Galiza

1091 DC Casamento de D. Raimundo de Borgonha com D. Urraca, filha de Afonso VI

1092 DC Morte de Sisnando, governador de Coimbra

1093 DC D. Raimundo governa Portucale e Coimbra. D. Afonso VI dá a mão de D. Teresa, sua filha, a D. Henrique de Borgonha

1095 DC Constituição do Condado Portucalense

1100 DC D. Henrique defronta os almorávidas em Moragon

1102 DC Batalha de Arouca 1111 DC Revolta em Coimbra dos burgueses contra o conde D. Henrique. Foral de Coimbra, o primeiro que estabelece os direitos e as obrigações dos munícipes. 1112 DC Morte do conde D. Henrique. D. Teresa à frente do condado Portucalense

1113 DC Fundação da Sé do Porto

1118 DC Criação da Universidade de Paris

1123 DC Foral do Porto, concedido pelo bispo D. Hugo

1128 DC Primeira doação aos Templários: castelo e terra de Soure. Batalha de São Mamede entre os partidários de D. Afonso Henriques e os de sua mãe, D. Teresa. D. Afonso Henriques à frente do Condado

1130 DC D. Afonso Henriques invade a Galiza

1130 DC Início da construção das Sés do Porto e de Coimbra

1131 DC Início da construção da Igreja de Santa Cruz em Coimbra 1135 DC D. Afonso Henriques manda construir o castelo de Leiria

1137 DC Torneio de Arcos de Valdevez

1137 DC Tratado de paz de Tui entre D. Afonso VII e D. Afonso Henriques

 

Reis de Castela e Leão ( 718 - 1109 )

718-737 Pelayo

737-739 Fávila

739-757Afonso I

757-768 Fruela I

768-774 Aurélio

774-783 Silo

783-788 Mauregato

788-791 Bermudo I

791-842 Afonso II

842-850 Ramiro I

850-866 Ordonho II

866-911 Afonso III

911-914 Garcia I

914-924 Ordonho II

924-925 Fruela II

925-931 Afonso IV

931-951 Ramiro II

951-955 Ordonho III

955-958 Sancho I

958-960 Ordonho IV

960-966 Sancho I (2ª vez)

966--984 Ramiro III

984-999 Bermudo II

999-1028 Afonso V

1028-1037 Bermudo III

1037-1065 Fernando I

1065-1072 Sancho II

1065-1071 Garcia

1065-1109 Afonso VI

** Afonso VI de Castela e Leão foi pai de D. Teresa e avô de D. Afonso  Henriques

1109-1126 Urraca

 

Cronologia da Dinastia de Borgonha ( 1139 - 1384 )

1139

D. Afonso Henriques toma o título de rei. Batalha de Ourique contra os mouros

1140

Carta de couto e privilégios outorgados à Ordem do Hospital por D. Afonso Henriques

1140

Início da construção da Sé Velha de Coimbra

1143

Tratado de Zamora entre D. Afonso VII e D. Afonso Henriques em que o primeiro reconhece ao segundo o título de rei

1143

D. Afonso Henriques presta vassalagem ao papa Inocêncio II

1145

Formação dos reinos taifas no sul de Portugal

1147

Tomada de Santarém. Tomada de Lisboa, Almada, Palmela. Fundação da Igreja de São Vivente de Fora.

1152

Fundação do Mosteiro Cisterciense de São João de Tarouca

1153

Fundação da abadia cisterciense de Alcobaça.

1158

Conquista de Alcácer do Sal

1159

O castelo de Cera ( Tomar ) é doado à Ordem do Templo ( Templários ). Conquista de èvora e Beja

1160

Construção do Castelo dos Templários em Tomar

1161

Évora, Beja e Alcácer do Sal caem em posse dos mussulmanos

1162

Reconquista de Beja

1165

Reconquista de Évora

1166

Tomada de Serpa e Moura. Doação do foral a Évora. Fundação da Ordem da Calatrava

1172

Cunhagem das primeiras moedas portuguesas

1179

O Papa Alexandre III reconhece a D. Afonso Henriques o título de rei de Portugal - Bula Manifestatis Probatum

1184

Grande ofensiva almóada. Os muçulmanos voltam a dominar até ao Tejo

1185

Morte de D. Afonso Henriques e sobe ao trono D. Sancho I

1185

Começa a construção da Sé de Évora

1189

Data da mais antiga poesia portuguesa: Paio Soares de Taveirós. Conquista de Silves e Alvor

1194

Começa a construção da Catedral gótica de Chartres

1208

Conflito do rei com os bispor de Coimbra e Porto. Revolta burguesa contra o bispo do Porto

1210

Morte de D. Sancho I e sobe ao trono D. Afonso II. Primeiras Leis Gerais

1211

Inquirições de D. Afonso II

1212

Batalha de Navas de Tolosa

1217

Fundado o primeiro mosteiro dominicano em Portugal, na serra de Montejunto

1223

Morte de D. Afonso II

1228

Cortes de Coimbra. Foral de Castelo Mendo

1232

Reconquista de Serpa e Moura

1238

Conquista de Mértola e Aiamonte. Conflitos de D. Sancho II com os bispos do Porto e Braga

1245

D. Sancho II é subsituido por D. Afonso III no concílio de Leão

1248

Morte de D. Sancho II e sobe ao trono D. Afonso III

1249

Conquista definitiva do Algarve

1250

Cortes de Guimarães

1253

Lei da Almotaçaria:«Tribunal de pequenos delitos de vendas, presidido por um almotacé.»

1254

Cortes de Leiria em que pela primeira vez tornam parte representantes dos concelhos

1258

Inquirições gerais

1261

Cortes de Leiria e Guimarães

1262

Notícia escrita sobre os primeiros moínhos de vento em Portugal

1267

Primeiro edifício gótico a ser construido em Portugal, o convento de São Domingos em Elvas

1277

Conflito de D. Afonso III com a Santa Sé

1284

Inquirições gerais

1286

Construção do Mosteiro de Santa Clara-a-Velha em Coimbra

1290

Bula de Nicolau IV que aprova o Estudo Geral, fundado por D. Dinis. A Universidade funciona em Lisboa nos anos seguintes:1288, 1308, 1338-54, 1377, 1537. A Fixação em Coimbra foi a partir de 1537.

1311

Extinção da Ordem dos Templários

1315

Fundação da Ordem de Cristo

1324

Fundada a mercearia mais antiga de que há conhecimento em Portugal, por Bartolomeu Joanes e destinada a doze pobres. As mercearias eram instituições com fins religiosos e caritativos, onde eram recolhidos inválidos de ambos o sexos. Foram extintas em 1834, no quadro da extinção das ordens religiosas.

1325

Morte de D. Dinis, sucedendo-lhe d: Afonso IV.

1340

Batalha do Salado

1348

Peste negra

1357

Morte de D. Afonso IV sucedendo-lhe D. Pedro I

1361

Instituido o Beneplácito Régio

1367

Morte de D. Pedro I sucedendo-lhe D. Fernando

1372

Tratado de Tagilde entre D. Fernando e o Duque de Lencastre

1373

Henrique II cerca Lisboa

1375

Lei da Sesmarias para contrariar a contracção económica que havia no País e na Europa e agravada pelo despovoamento causado pela peste negra.

1381

Terceira guerra com Castela

1383

Morte de D. Fernando, D. Leonor Teles assume a Regência. Revolução de Lisboa

1384

João I de Castela cerca Lisboa. Batalha dos Atoleiros

 

Reis da Dinastia de Borgonha

1º - D. Afonso Henriques (1139-1185)

6º - D. Dinis (1279-1325)

2º - D. Sancho I (1185-1211)

7º - D. Afonso IV (1325-1357)

3º - D. Afonso II (1211-1223)

8º - D. Pedro I (1357-1367)

4º - D. Sancho II (1223-1248)

9º - D. Fernando (1367-1383)

5º - D. Afonso III (1248-1279)

 

 

***

Cronologia da Dinastia de Avis

 

Página em construção

 1385 

 Aclamação do Mestre de Aviz com João I de Portugal

 1385 

 Batalha de Aljubarrota

 1387 

 Casamento de João I com Filipa de Lancaster

 1415 

 Conquista de Ceuta

 1418 

 Primeira expedição do Infante D. Henrique

 1449 

 Batalha de Alfarrobeira

 1479 

 Tratado de Alcáçovas

 1482 

 Diogo Cão descobre a foz do rio Congo

1488 

Bartolomeu Dias passa o Cabo da Boa Esperança

1494 

Tratado de Tordesillas

1487 

Expulsão dos judeus de Portugal

1488 

Chegada de Vasco da Gama à Índia

1500 

Álvares Cabral descobre o Brasil

1506 

Massacre dos cristãos-novos ou marranos em Lisboa

1510 

Conquista de Goa

1514 

Conquista de Ormuz

1536

 Instalação da Inquisição em Portugal

1542 

Os portugueses instalam-se em Liampo (Ning-Po) China

1576 

Batalha de Alcácer-Quibir

 

 

 

 

 

 

 

Reis da Dinastia de Avis

1º - D. João I (1385-1433)

6º - D.João III( 1521-1557)

2º - D. Duarte (1433-1438)

7º - D.Sebastião (1557-1578)

3º - D. Afonso V (1438-1481)

8º - Cardeal D. Henrique(1578-1580)

4º - D. João II (1481-1495)

 

5º - D.Manuel I (1495-1521)

 

 

Cronologia dos Descobrimentos

 

1415  Conquista de Ceuta  

1418  Visita da ilha de Porto Santo  

1419  O primeiro contacto com a Madeira

1427 Marinheiros portugueses visitaram os Açores.

1445  Colonização Açores e a Madeira

1434  Passagem do Cabo Bojador   

1436  Chegada ao Rio de Ouro

1437  Expedição contra Tanger

1439  Colonização dos Açores

1443  Chegada à baía de Arguin

1444  Dinis Dias chega a  Cabo Verde

1456 Viagem de Diogo Gomes, que explora o estuário do rio Geba, na Guiné, e acha algumas ilhas Bijagós

1458  Expedição a Marrocos

1460  António de Noli descobre algumas ilhas de Cabo Verde

1471 Conquista de Tanger e Arzila 

1471-72  João de Santarém e Pêro Escobar, descobrem as ilhas de São Tomé e Príncipe 1472  Fernando Pó descobre a ilha Formosa (que toma hoje o seu nome)

1474  Lopo Gonçalves e Rui de Sequeira atingem o cabo de Santa Catarina

1481 Fundação da fortaleza e feitoria de comércio no Golfo da Guiné em Elmina (São João da Mina, 1481-82)

1482  Diogo Cão descobriu a foz do rio Congo

1486 Diogo Cão avançou até Cape Cross

1488 Bartolomeu Dias passou o Cabo da Boa Esperança   

1493 Colombo chega à América

1494 Tratado de Tordesillas

1497 Vasco da Gama sai de Lisboa a caminho da Índia

1498 Vasco da Gama chega à Índia

Chegou a Calicute (Kozhikode) na primavera seguinte, e os sobreviventes chegaram a Lisboa no Outono de 1499 com amostras da mercadoria Oriental. 

1499 Regresso de Vasco da Gama a Índia

1500 Pedro Álvares Cabra chega ao Brasil

Um segunda esquadra foi preparada sob o comando de Pedro Álvares Cabral, que tocou a Costa Brasileira (22 de Abril de 1500) e reclamou-a para Portugal. ( Veja Carta de Pêro Vaz de Caminha)

1500 Diogo Dias descobre Madagáscar

1501 João da Nova descobre a ilha de Ascensão

1502 João da Nova descobre a ilha de Santa Helena

1506 Tristão da Cunha descobre a ilha do seu nome

1505 Chegada à Índia de Francisco de Almeida

1509 Derrota das forças navais muçulmanas

1510 Cabral estabelece feitorias em Cochim e Calicute

1510 Conquista de Goa por Albuquerque

1511 Conquista de Malaca

1512 Expedição às Molucas

1515 Conquista de Ormuz

1516 Chegada dos portugueses à China

1542 Os portugueses instalam-se em Liampo ( Ning-po )

1557 Fundação de Macau

1624 Os holandeses tomam a Baía no Brasil  

1625 Expulsão dos holandeses

   

(Apostila 1 da História de Portugal)